Depoimento sobre a Filosofia Clínica

Depoimento sobre a Filosofia Clínica

Eu soube da existência da Filosofia Clínica já nos seus primeiros tempos, em 1998, através de um colega. Fiquei muito interessada, mas esta informação acabou registrada e guardada nos recônditos da mente. Na época eu estava fazendo minha especialização em Terapia Floral. Após muitos anos, em 2011, quando eu buscava uma outra formação, foi que uma amiga me falou da Filosofia Clínica. Então, o interesse guardado por tantos anos veio à tona e engrenou a toda desta vez.

Com o foco na Filosofia Clínica, comecei antes o curso de Filosofia a distância, na Unisul. Mas na metade do mesmo ano eu resolvi investigar melhor sobre a Filosofia Clínica, que era o meu objetivo final e soube que iria iniciar um curso em Florianópolis, onde resido. Como eu estava no momento em Porto Alegre, a professora Mariza gentilmente me convidou para participar das aulas dela, o que foi decisivo para mim, pois adorei suas aulas e a Filosofia Clínica, então, entrou “redondinho”, entrosando bem com o que eu já tinha estudado na Terapia Floral.

Em setembro de 2012 iniciei o curso de Filosofia Clínica em Florianópolis, com o professor Bruno Packter, o qual ajudou muitíssimo para o meu já grande interesse por esta abordagem clínica-filosófica e estou enganjada totalmente, estudando, lendo o que posso sobre este assunto, que entrou tão fortemente na minha vida.

A Filosofia Clínica tem me ajudado muito na vida, nas minhas relações, no entendimento sobre eu mesma e sobre o outro, entendendo que cada pessoa funciona de um jeito próprio. Tenho procurado ouvir-me melhor, cuidando mais dos meus pensamentos, pois as abstrações são o meu ponto forte. Portanto, a Filosofia Clínica entrou na minha vida para ficar e pretendo poder ajudar-me cada vez mais e ajudar outras pessoas com este terapêutica filosófico-clínica.

Nadja Mota – Florianópolis – SC

Facebook
Instagram
WhatsApp chat